Deputado Estadual Durval Ângelo

Direitos do povo

A- | A+



Mais Médicos. Pela primeira vez, a saúde é discutida no Brasil com o engajamento político da sociedade


Luís Nassif, em seu blog, destaca que a saúde está sendo discutida de forma engajada e apaixonada pela população: “O programa Mais Médicos tem o mérito de atacar uma situação crítica que é o atendimento às áreas mais carentes de serviços de assistência à saúde. Houve uma convocação para o preenchimento de milhares de vagas com prioridade total aos profissionais formados no Brasil. Não foi obtida a adesão necessária, e então, partiu-se para a importação dos profissionais. Isso, é claro, suscitou reações, algumas perfeitamente compreensíveis (validação de diploma, condições de trabalho etc.), outras totalmente absurdas (espionagem comunista, usurpação de emprego, escravidão etc.)”. (...) “O fato é que, pela primeira vez a saúde pública é discutida pela população com um engajamento impressionante. A nota triste fica com as entidades de classe e conselhos de medicina que, no desespero, chegam a sugerir a prática de crimes como a omissão de socorro, fornecimento de informações falsas etc.. A medicina no Brasil sempre foi motivo de orgulho, graças aos médicos brasileiros. Isso não pode ficar prejudicado por simples disputa política”.

Publicamos, a seguir, dois artigos apaixonantes sobre o Programa Mais Médicos, de Rodrigo Vianna e Saul Leblon (este está em pdf). Mais que o debate da saúde, os dois autores destacam os enormes desafios que temos enfrentado para tornar o Brasil uma nação mais justa e igualitária. 

O conservadorismo de branco(s): derrotado pela história

Rodrigo Vianna

Blog O Escrevinhador - 27/08/2013 

No começo senti raiva. Depois, tristeza. Ao fim, procurei explicações. O cerco aos médicos cubanos, com xingamentos e manifestações racistas, é chocante à primeira vista. Mas quem conhece nossa história de “elevador de serviço”, de “quarto de empregada”, de coronelismo e revoluções sempre inconclusas, quem conhece essa história nem deveria se espantar.

O fato é que a reação desmedida de certos médicos e de gente que pensa falar em nome da “Medicina brasileira” transformou-se numa derrota acachapante para o pensamento conservador. O conservadorismo de branco (e de brancos?) foi derrotado nesse debate.

É como o “bolsa esmola” – vocês se lembram? Durante dois mandatos de Lula, um setor barulhento (e até numeroso) da classe média travou um não debate: em vez de criticar eventuais falhas no Bolsa Família, tentou desqualificar a política de transferência de renda, definida como “esmola”. Ouvi isso ao longo de anos, em festas de família, em bares e restaurantes… E no fim aconteceu o que? O Bolsa-Família impôs sua vitória. Os tucanos chegaram a 2010 propondo que na campanha eleitoral o partido defendesse o Bolsa-Família. Falar em “bolsa esmola” seria suicídio eleitoral. O conservadorismo recolheu-se às manifestações privadas de ódio e recalque.

A história do Capitalismo no Ocidente, nos últimos 70 anos, é a história da luta de setores organizados para arrancar pedaços do Estado das mãos da burguesia. É a história da luta dos trabalhadores para obter concessões que tornem a vida menos dolorosa, menos infernal. Leis trabalhistas, políticas sociais de compensação: assim se constituiu a social-democracia na Europa. Aos trancos e barrancos, tivemos nossa social-democracia à brasileira com Vargas e o PTB de Jango e Brizola. Verdade que, no Brasil, ela foi mais “social” do que “democracia”, na medida em que parte das conquistas sociais veio sob a ditadura do Estado Novo.

A Guerra Fria interrompeu o ciclo trabalhista, instalando uma ditadura (64-85) que adotou políticas claras de concentração de renda. Depois da Constituição de 88, mas principalmente depois da chegada de Lula ao poder em 2002, o ciclo de “social-democracia” à brasileira foi retomado. Da mesma forma que na Era Vargas, o lulismo significou a incorporação de milhões de brasileiros ao mercado de massas.

Uma parte da sociedade brasileira sentiu-se ameaçada pela mudança – feita dentro da ordem, sob hegemonia inclusive de política econômica liberal, especialmente no primeiro governo Lula. Mas mesmo assim, um setor significativo da sociedade brasileira partiu para a desqualificação. Bolsa Família era “bolsa esmola”. Prouni era “prêmio para gente despreparada”. Quotas raciais eram “incentivo pra gente vagabunda”.  

Esse mesmo setor agora estrebucha, se debate de forma constrangedora – contra os médicos. E o ódio maior é contra os cubanos…

Uma pobre alma chegou a dizer no twitter (ou facebook, sei lá) que os médicos cubanos não eram confiáveis porque tinham aparência de “empregadas domésticas”. De uma só tacada, tentou ofender os cubanos e as empregadas que cuidam das casas de quem pode pagar. Mas conseguiu apenas explicitar que tipo de pensamento tenta barrar a chegada dos médicos às comunidades mais pobres do Brasil.

Esse tipo de comentário, ou de ataque (esclarecedora também a foto das patricinhas de branco pensando ofender um médico negro cubano), cumpre papel didático. É o passado que não quer passar. É o sul derrotado na guerra de Secessão. É o Partido Republicano recusando-se a aceitar que Roosevelt tinha razão no New Deal. É o Lacerda contra a Petrobras. É o Ali Kamel da Globo contra as quotas. Essa gente fala para o passado. Um discurso derrotado.

Reparem que nas redes sociais apareceu muita gente moderada, que tem críticas ou dúvidas em relação ao Mais Médicos, mas que se sente constrangida com o discurso de ódio, com as cenas de racismo e de preconceito. E por isso passou a apoiar o programa. 

O conservadorismo de branco (e de brancos?) ainda vai estrebuchar. Vai ao STF, ao TCU. Vai tentar de tudo. Mas ainda que consiga atrasar o programa de Médicos do governo federal, já perdeu o debate. Lá na frente, terá que botar o rabo entre as pernas.

Por fim, vale dizer que muita gente aqui nos blogs e nas redes sociais costumava cobrar o PT e os governos de Lula e Dilma pela falta de “politização” do debate. O Ministro Alexandre Padilha topou fazer a politização – no bom sentido. Comprou a briga de uma forma inteligente: não com discurso ou com promessas, mas com um programa concreto e palpável. O povão do interior e das periferias vai aos poucos entender quem é de direita no Brasil…

E do jeito que vai, essa direita vai levar tempo pra se recompor e voltar ao poder. Pelo voto, com esse tipo de reação infantil e atrasada, essa direita seguirá no gueto. Um gueto grande até, de 30% do eleitorado. Mas seguirá prisioneira do discurso do ódio. Um discurso derrotado pelos fatos e pela história. 

Veja a seguir, em pdf, o artigo de Saul Leblon: “Cubanos chegam e já diagnosticam a doença no Brasil”. 

cubanos1.jpg