Deputado Estadual Durval Ângelo

Economia

A- | A+



Desemprego de 5% em março é o menor da história. Na Grande BH, índice é de apenas 3,6%; é o pleno emprego!


tab1.jpg

Mais uma vez, os números do IBGE trouxeram ótimas notícias sobre a geração de empregos no Brasil. A oposição – Aécio Neves e Eduardo Campos – torcem desesperadamente para que os índices modestos de crescimento da economia brasileira tenham fortes repercussões negativas na geração de empregos. Em março, para frustração da oposição, o índice de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país recuou para apenas 5%, o menor da série histórica do IBGE. Também o rendimento real habitual médio dos trabalhadores subiu 3% passando de R$ 1.967,54, em março de 2013, para R$ 2.026,60, em março de 2014.

Os números do IBGE para os meses de março mostram o enorme avanço do emprego nos governos do PT e dos partidos aliados. No início do governo Lula, o desemprego era de 12,1% e recuou, como vimos, para 5%.  Na Grande BH, o recuo do desemprego foi ainda maior: passou de 10,3% para apenas 3,6%.  

Os números da tabela acima comprovam de forma cabal aquilo que temos afirmado em posts neste Blog. Existe um pessimismo no Brasil que não corresponde à realidade. Duas das políticas mais importantes para o bem estar do povo – emprego e renda – vêm crescendo de forma importante, ao contrário daqueles países que adotaram o receituário neoliberal, que são as referências para Aécio Neves e Eduardo Campos. Por isso mesmo, temos certeza, que o pessimismo disseminado pela oposição, pelo capital financeiro e pela mídia, será, em grande medida, revertido na campanha eleitoral, fortalecendo a aprovação da presidenta Dilma e sua intenção de votos.

dilma.jpg